Quem sou eu

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

OS BARCOS


BARCOS


BARQUEIROS DO RIO PARDO




                                Quando a doçura da infância vivia em mim
                                aprendi uma canção: Barqueiros do Volga.

                                   Ficava imaginando...
                                   como seriam esses barqueiros
                                   para onde remariam
                                   como seria o Volga
                                   onde ficaria esse rio
                                   que nunca eu conseguia
                                   localizar no mapa nas aulas de geografia.

                                   Hoje, tão distante a infância,
                                   ao andar pela vida
                                   encontro Seu Galego*, o barqueiro do rio Pardo,
                                   que me leva noite a dentro
                                   para a segurança de outras margens.
                                   Me atravessa a lembrança daquele Volga,
                                   rio que nunca conheci.

                                   Os braços valentes do barqueiro comandam,
                                   o remo trabalhador obedece.
                                   As estrelas desenham partituras no céu
                                   e indicam o certo navegar.

                                   Me entrego à travessia quase ausente de mim mesma...

                                   Devo estar no Volga:
                                   o vento me abraça
                                   e solfeja serenatamente só para mim a antiga melodia:


                                   do... la...  re... la...
                                                                                              


                                                                                               São João do Paraíso - 16/11/99

*Apelido do Sr. Otoniel, presidente da AUTA - Associação Unida dos Trabalhadores na Agricultura. Ex-sem terra, fazedor da História do Brasil, na luta pela Reforma Agrária. Fazenda Nancy - Mascote/Ba.


Neuzamaria Kerner
O LIVRO-ARBÍTRIO DAS EVAS
-Dentro e fora do jardim -
EDITUS - 2014





BRINCADEIRA ENTRE POETAS

Pão
mandei para vós pelas asas das aves,
que irão semear o que ajuntareis de mim
no vosso celeiro.
                                                        (@@@)

Ânsias e alegrias
esperam vossos mantimentos,
- meus alimentos, tuas poesias.
                                       (nmk)
Aguardai-me, pois que
contarei histórias
nos vossos ouvidos sherazades

                                       (@@@)
Vinde, ó poeta,
trazei na vossa pessoa
o canto da nossa história.
Mas vinde logo
antes que expire o meu prazo de aguardos,
antes que a morte me guarde
enquanto a vida me agrada
nos agrados da vossa vinda..
Avieis que se esvai nosso tempo
no campo dos lírios vestidos de mais beleza
que nosso pai Salomão.
                                                 (nmk)

Ainda um pouco
e estareis comigo no paraíso
já  dizia outro de paixão crucificado.

                                  (@@@)

Pai,
aproximai de mim este cálice de amor
para alívio das minhas urgências
e estarei no paraíso
bebendo o leitemel do meu poeta.

                               (nmk)



Assim seja,
e será...
                        (@@@)


Tomarei a harpa de Davi
tocarei e dançarei para vós
rolando, descuidada, na brancura dos lírios
mas pensando no depois:
o que será de nós?

                        (nmk)

Não vos preocupeis
amada de minh’alma!
Eis que a trombeta anuncia
o fim das esperas.
Prepareis os tapetes na tenda
nossa de cada dia
que já estou na estrada.

                        (@@@)



Neuzamaria Kerner
O LIVRO-ARBÍTRIO DAS EVAS - DENTRO E FORA DO JARDIM
EDITUS - 2014