Quem sou eu

terça-feira, 16 de setembro de 2014

O MUNDO AINDA TEM JEITO: CORAL MARIA PENEDO (IFES – VITÓRIA)

Há muitos anos, em Ilhéus (BA) participei de uma reunião com pessoas dedicadas a construir um mundo melhor para si e para as futuras gerações. Eram pessoas sábias que, como muitas outras, já haviam descoberto o segredo da vida. O segredo do bem viver!

À época a imprensa divulgara uma notícia pavorosa sobre a violência gerada pela eugenia. Não vale a pena relatar porque esse tipo de notícia, nos dias de hoje, vem circulando mais intensamente pela mídia e todos nós sabemos o que o preconceito, seja lá de que tipo for, pode provocar.

Então, eu estava tão chocada com a notícia que disparei com um desabafo: O mundo não tem mais jeito! No círculo os presentes na reunião sentiram a gravidade do que eu havia dito – e como havia dito - silenciaram por um bom tempo. Alguns mantinham os olhos fechados; outros me olhavam com a piedade generosa dos bons. Minutos depois um deles me perguntou:
Neuzamaria, você acha que ainda tem jeito? Eu, com minha forma rápida e estabanada de responder sem pensar, e metida a “tudóloga”, disse: Claro que sim! E continuei justificando a minha resposta cheia de certezas e verdades e experiências e vaidades e orgulhos...

Aí aconteceu uma coisa interessante que eu não esperava. Um dos participantes acrescentou à minha fala: eu também ainda tenho jeito; outro acrescentou a mesma coisa; outro e mais outro. Uma pessoa disse: Então, todos aqui achamos que ainda temos jeito e é por isso que o mundo ainda tem jeito.

Essa introdução toda é porque, na verdade, não sei falar pouco. Sou muito explicativa... Talvez por “defeito” da profissão. A história da reunião que relatei acima é porque assisti ontem, dia 15/09/14, à apresentação de corais (9º ENCORIFES), do Espírito Santo que aconteceu no IFES (campus de Vitória). A abertura foi feita por corais de estudantes jovens. Todos eles empenhados em dar o melhor de si para o enriquecimento do evento. Todos eles, mesmo com as extensas atividades escolares, encontraram tempo para promoverem o musical Estradas do Rock, num esforço muito grande para ajudarem-se mutuamente a fim de que pudessem apresentar um espetáculo que não deixa a desejar diante de espetáculos promovidos por grandes produtores.

O pequeno vídeo abaixo, metáfora que utilizo aqui, para dizer do encanto juvenil que comprovou que trabalhando juntos, todos podem crescer juntos, principalmente na arte de criar, cantar e encantar para sobreviver num mundo, um tanto conturbado, mas onde habitam pessoas que fazem a diferença. Onde o alimento pode ser também a arte musical servida às colheradas para o alimento da alma e onde ninguém pode se alimentar sozinho.

www.youtube.com/watch?v=qhU5JEd-XRo

É preciso que acreditemos que melhorar o mundo é possibilitar que todos se tornem melhores, mesmo sendo diferentes em suas “des-igualdades” humanas. Melhorar o mundo significa que devemos repartir a beleza da arte que todos carregamos dentro de nós (mesmo que não possamos temporariamente expressá-la). Melhorar o mundo é o exercício permanente de primeiro transformar o nosso mundo interior para mudar o exterior que também pertence a todos. Na arte não existe preconceito nem separação e é por isso que temos um caminho para acreditarmos que o mundo pode ter jeito. O mundo somos nós que agimos no bem porque sabemos que nós ainda temos jeito.

O Coral Maria Penedo, regido pela dedicação do maestro Heraldo filho, é composto por jovens que acreditam nesse mundo melhor – vídeo abaixo. Jovens que ajudam a levar felicidade através da música, a apontam caminhos mais suaves para todos, promovendo o aperfeiçoamento pessoal e mostrando que boas atitudes refletirão em mudanças positivas que se expandirão pelo mundo afora.

O mundo ainda tem jeito, sim!



Neuzamaria Kerner
16/09/2014

Um comentário:

http://vidaemconto.blogspot.com.br disse...

Concordo plenamente!O bem sempre vence!